quarta-feira, 14 de março de 2012

A felicidade por um fio... de cabelo!

Nem quando eu era criança tive cabelo curto. Sempre gostei de cabelo grandão, arrumado, produzido. Mas os efeitos da quimioterapia seriam implacáveis: meu hair estava com os dias, literalmente, contados. Antes do tratamento, li milhares de coisas a respeito do assunto e, por mais que as opiniões mais otimistas falassem que nem todo mundo perdia o cabelo, isso era utópico demais para mim. Ainda mais com o protocolo proposto para o meu caso... eu usaria drogas que causam, em 98% dos casos, alopecia induzida por quimioterápicos. Nem gastei meu tempo tentando acreditar que entraria na estatística seleta dos 2%. Melhor mesmo seria me preparar para o "momento traumatizante" do tratamento, conforme muitos dizem. Mas não é bem dessa forma...
Segundo relatos, em torno do décimo e décimo quinto dia após o primeiro ciclo de quimioterapia, os cabelos começariam a cair. E assim foi... Depois de ter iniciado minha descida em queda livre ao inferno e de ter visto a luz branca da morte umas 20 vezes com a Doxo e a Cisplatina, perder o cabelo seria mais uma etapa. Todos os dias, fazia o teste: ia lá na nuca e puxava um fio, um fiozinho e verificava a força de sua implantação no couro cabeludo. E, durante 14 dias, eles estavam lá, firmes e fortes. O mais curioso disso tudo era a preocupação exagerada das pessoas em relação a esse fato. Quase todo mundo que ligava querendo notícias, no fundo, também queria saber se meu cabelo já tinha caído. Mas e a coragem de ser direto e perguntar? E o medo de ser indiscreto e ofender alguém que está com câncer? Nessa hora, as pessoas se resguardam no campo tranquilo das indretas, do "jogar verde para colher maduro", como quem não quer nada, mas na verdade quer saber dos mínimos detalhes... em primeira mão ainda.
Pois bem... exatamente 15 dias depois da primeira QT, acordei e vi no travesseiro um bolo de cabelo. Não foram 2 nem 10 fios... foi um tufo de cabelo, que se desprendeu da minha cabeça espontaneamente, sem esforço algum, numa facilidade incrível. A cada hora que passava eu tinha menos cabelo e aonde passava ficava o rastro tradutor da potência da quimioterapia. Se levava a mão na cabeça, vinha junto mais e mais cabelo.
Ao contrário do que muitos pensaram e contrariando as expectativas de que eu faria um verdadeiro escândalo nesse dia (surpresa até para mim), esse foi, digamos, o momento menos penoso dos últimos acontecimentos. Sem demagogias. Tudo foi pior: as náuseas, os vômitos, o cansaço, a dor no corpo, a mucosite, a sensação de que eu não daria conta do recado. Não vou dar uma de mulher maravilha e dizer que esse foi o momento mais ligth e tranquilo da minha vida. Quase nenhuma mulher gostaria de passar por isso, afinal, os cabelos fazem parte do estereótipo feminino, traduzem charme, beleza... seduzem. E eu também amava os meus. Mas diante de tudo que já tinha me acontecido e perante o que ainda estava por vir, de verdade, isso não me machucou tanto quanto era previsto. Algo muito maior estava por trás disso tudo: eu precisava da quimioterapia... sem ela minhas chances de cura seriam anuladas. E, se um dos preços a pagar era esse, não me restava outra saída a nao ser olhar tudo com maturidade e paz.
Já tinha decidido que cortaria o cabelo e guardaria para depois fazer mega hair. E, no mesmo dia em que a queda começou, fui a um salão. Se demorasse muito, não daria tempo de salvar nada... hehehehe... podem acreditar! É muito rápido... Fiz um corte lindo, chanel, vintage e moderno ao mesmo tempo (pode isso? hehehe...). Gostei do resultado, mas sabia que aquilo ali duraria uma fração de horas. Em poucos dias tudo já tinha ido embora: o corte e o cabelo. Não chorei, não dei birra, não culpei nada nem ninguém, não revoltei. Era um momento só meu e passei por ele da melhor maneira que pude. Tantos já passaram por isso e, contudo, não estão aí inteiros? Então...


Estreiando meu novo look!

Agora, de fato, era tudo verdade. Eu estava fazendo quimioterapia. A ficha de muitos só caem nesse momento. Mas a minha desabou muito mais cedo...
E tenho dito.

Bjo, bjo, bjo.

10 comentários:

  1. Renata querida, a queda dos cabelos também foram algo light pra mim, afinal, depois de tanta dor e enjoos o que é ficar com cabeça de ovo, eu disse light, mas não disse que não sofri. Ta tudo bem, eram uns pixain bem dos sem vergonha, mas eram meus e perder os cabelos é mais uma perda pra quem ja perde tanto. Depois caem as sobrancelhas, os cilios, e vc fica com cara de tio chico da familia adans e olhar do outro começa a incomodar. Essa historia de adoecer da trabaho, pq temos que lidar com o que sentimos, com o que acha que vamos sentir, com que as pessoas esperam que a gente sinta e combinar tudo isso com lenços, chapéus lindos e maravilhosos. É MUITO DIFICIL? É impossivel? não. Estou numa quimio braba, forte mesmo, nela o meu cabelo nao cai, e advinha? todo mundo acha que o remedio nao ta fazendo efeito, pq nao to careca, eita povo indeciso, é pra ficar careca ou não? sei lá, eu sei amiga que eu to quase careca de saber, que t vai passar por isso, porque o principal não caiu, não foi pelo ralo, sua essencia, eita sorriso mais bonito... Força e fé, sempre!
    http://dosnossoslimoes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Renatinha, já li todos os posts e, sinceramente, não tinha dúvida alguma de que você iria (e irá) passar por todo esse processo da melhor forma possível!
    Você é guerreira, é forte, e além disso, tem uma família incrível, não é mesmo?!
    Beijossssss e estamos aqui (Thiago e eu) torcendo e orando muito por você!!!
    Mais força e mais fé SEMPRE!!! Beijossssssss

    ResponderExcluir
  3. Oi Renata conheci seu blog hoje e passo a te seguir. Força nesse tratamento...Fica com DEUS!!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Realmente é uma curiosidade imensa!!! Mas consegui saber antes deste post, né?
    Bjos...

    ResponderExcluir
  5. amiga sempre soube o quao forte vc e..... quando nos conhecemos senti que vc era uma amiga que Deus colocou no meu caminho e ainda me disse, me desculpe vc é especial mais renata cambuy é um pouco mais..... amiga em todas as minhas oracoes rezo por vc...... e sei que vc vai superar mais essa e vai linda na minha festa de formatura ai em moc.... bjosssssssssss

    ResponderExcluir
  6. Ah, vc tá sendo injusta comigo... Eu sempre torci pra que seus cabelos caíssem kkk. Brincadeiras à parte, imagino que isso deva ser a cereja do bolo. Eu cheguei a te mandar um post dos caras que cortaram seus cabelos em homenagem ao amigo que fazia quimio na formatura de engenharia ambiental... achei o gesto dos caras de um desprendimento maior do que qualquer budista. Agora, que eu acho atraente mulheres de cabelos curtos, isso é fato. Se não acredita em mim, é só ver algumas fotos lá no meu facebook. E só pra confirmar, vou deixar um hai kai:

    Cabelos Curtos
    (Ani Almeida)

    fios são cortados
    a cara e caráter
    aparecem revelados.

    ResponderExcluir
  7. Rena, fico muito feliz vendo essa força que acho que nem vc acreditava que teria..seus depoimentos são muito emocionantes e só temos aqui fora, torcer e rezar p tudo continuar dando certo!!! ah, e com cabelo, sem cabelo, seu charme nunca some!!!! hehehe
    saudades!!!!

    ResponderExcluir
  8. Te admiro mto! Grande abraço! !!!!!!!!! (Eder)

    ResponderExcluir
  9. Continua linda e estilosa, amiga! Seus lenços são charmosíssimos! Preciso repetir que tô com saudade?! Beijos, meu bem!

    ResponderExcluir